21 de jan de 2014

Homem é interrogado pelo FBI por usar o Google Glass no cinema



Como já foi visto antes, o Google Glass causa algumas situações novas com as quais as autoridades ainda não estão prontas para lidar. Foi o caso de um homem na cidade de Columbus, nos Estados Unidos, que foi ao cinema usando o Gadget e acabou sendo interrogado por uma hora por oficiais do FBI.

A acusação, claro, é de que ele estaria usando o aparelho, que contava com lentes de grau, para gravar o filme em cartaz e distribui-lo na internet. Contudo, quando analisado o conteúdo do aparelho, não havia nada além de fotos da esposa e do cachorro e o Glass estava desligado naquele momento.

De forma anônima, a pessoa fez seu relato no Gadgeteer, contando o que se passou enquanto ia com sua esposa assistir ao filme "Jack Ryan: Shadow Recruit". Segundo ele, com cerca de uma hora de filme, alguém com uma insígnia arrancou seu Glass e ordenou que ele saísse da sala. Do lado de fora, entre 5 e 10 policiais e seguranças o aguardavam.

O relato diz que ele foi revistado, seus aparelhos confiscados, mas que o FBI não dizia que ele estava preso, mas pedia sua cooperação, ou "coisas ruins podiam acontecer" com ele. O anônimo pediu para que eles verificassem o Glass para conferir que de fato não havia nada. Isso só foi feito após uma hora de pressão e interrogatório, com os oficiais pedindo para que ele confessasse e querendo saber tudo sobre ele, sobre o motivo de ele estar gravando o filme (não estava) e para quem ele iria entregar a cópia (não existente) do filme. Eles reafirmavam que não estavam interessado nele, e que preferiam pegar seu "superior" na linha de comando.

Foi só depois de uma hora que alguém com um cabo USB e um laptop apareceu e analisou todas as fotos pessoais gravadas no dispositivo e concluiu que não havia nenhum vídeo do filme em cartaz. O celular também foi revirado e ele foi liberado sem nenhuma acusação.

Por fim, ele recebeu quatro ingressos gratuitos para voltar ao cinema quando preferisse, o que o enfureceu ainda mais. "Eu ficaria mais satisfeito com um 'eu sinto muito pelo que aconteceu, por favor aceite nossas desculpas'. Quatro ingressos grátis apenas serviram para me deixar com mais raiva", ele conclui.