20 de mar de 2014

Cerca de 90% das violações de dados poderiam ser evitadas; veja dicas

O ano de 2013 foi o pior da história em violações de dados, segundo pesquisa do Online Trust Alliance. De acordo com o estudo, mais de 740 milhões de registros dos usuários de todo o mundo foram vazados online. A organização alerta que, com "educação digital" seria possível reduzir em 89% o número de casos. Veja a lista de dicas de especialistas da AVG para não cair em golpes neste em 2014.
Saiba como identificar sites que podem conter códigos maliciosos (Foto: Reprodução/Zone Hosting)

Dentro deste universo de 740 milhões de informações, 76% se deram por conta de senhas fracas ou roubadas, sendo que 29% vieram por meio de aplicativos sociais. Segundo a AVG, empresa de segurança online, mais do que utilizar aplicativos antivírus, o cliente precisa se reeducar em relação a algumas posturas na rede.
“Não podemos descuidar da privacidade, principalmente com o amplo uso dos dispositivos móveis, pois nossas informações estão cada vez mais vulneráveis nos dias de hoje. Mais do que utilizar ferramentas de proteção e privacidade, o que precisamos é educar o usuário e as empresas para que compreendam a necessidade de estarem atentos à questão fomentando a prevenção da perda”, afirma o diretor de Marketing da AVG Brasil, Mariano Sumrell.
Veja algumas dicas básicas de como os internautas podem proteger sua privacidade na rede. Confira a lista completa e a descrição de como cada ação pode ajudar.
1) Use programas e aplicativos para controlar as configurações de privacidade
O mercado oferece diversos softwares que permitem a configuração de informações pessoais. Mas, caso o usuário não deseje fazê-lo, pelo menos deve ter o controle do que o seu perfil está compartilhando e liberando em cada rede social. Além disso, deve analisar bem o que cada aplicativo móvel pede de permissão na hora de ser instalado no celular ou tablet.
2) Use senhas fortes
Segundo o estudo, 76% das violações foram realizadas por causa de senhas fracas. A dica, neste caso, é mesclar as letras (maiúsculas e minúsculas) aos números e caracteres especiais.
3) Obtenha proteção nos dispositivos
Outro dado importante é que 21% destas violações aconteceram por perdas de dispositivos móveis. É importante sempre ter ferramentas e programas que possam bloquear e limpar os dados destes aparelhos, sejam laptops, tablets ou smartphones. Não sabe qual baixar? Veja o kit de antivírus para Android.
4) Verifique as permissões dos aplicativos
É fundamental ler bem as permissões que os aplicativos pedem antes de serem instalados no celular. Muita gente não percebe – e sequer sabe da importância disso. Existem apps que exigem localização, contatos, fotos e fluxo social. É preciso verificar se quer liberar esses dados antes de instalar um programa.
5) Ative o “Do Not Track”
O “Do Not Track” é uma ferramenta para saber se o usuário quer ser rastreado por publicidade e por análise dos rastreadores. Caso ative o recurso em seu computador, o consumidor terá mais controle sobre os cookies e rastreadores que poderão acessar suas informações.