6 de fev de 2014

Facebook Paper para Android e iPad? Não tão cedo

O Paper, novo app do Facebook que permite ler o news feed com um design bem mais bonito e atraente, tem sido bastante elogiado por oferecer uma nova experiência aos usuários que acessam a rede social de um celular. Mais precisamente, de um iPhone. 

É que, por enquanto, o aplicativo é exclusivo desse smartphone. E, ao que tudo indica, a versão para Android ou iPad vai demorar – se algum dia chegar.

Acontece que o Paper foi criado e é mantido por uma equipe pequena do Creative Labs do Facebook, que é voltado para a criação de novos apps para a rede social: são 15 pessoas envolvidas com o novo aplicativo.

paper
Pela declaração (bem genérica) dada por um porta-voz ao Pocket-lint, o Paper é mais um experimento de uma nova interface do que algo que já está finalizado e pronto para ir para outros aparelhos: “somos uma equipe pequena e estamos empolgados em ver como as pessoas o usarão e qual será o feedback”. 

Já o Facebook diz que o feedback será um ponto crucial para a expansão e investimento no app, que, por enquanto, conta com recursos limitados.

Talvez não seja interessante para o Facebook investir na manutenção de dois aplicativos que fazem meio que a mesma coisa. Mas, do ponto de vista de anunciantes, o Paper e seu visual mais “aconchegante” podem ser mais atraentes para a publicidade.

Pelo que temos visto pela internet, o Paper tem sido muito bem aceito e colhido diversos elogios de seus usuários. Mas, admitindo seu caráter experimental, pode ser que alguns dos recursos do Paper, como a visualização de fotos grandes apenas inclinando o aparelho, simplesmente sejam incorporados no aplicativo oficial. 

No hands-on do TB, ainda foram considerados como pontos altos a separação por tópicos e facilidade de leitura e escrita, por causa das letras maiores.

Vale comentar também que o Paper é exclusivo dos usuários de iPhone dos EUA – mas, claro, isso não impede que você mude de conta e faça o download, ainda mais porque o aplicativo é gratuito. A expansão para outros países também depende da aceitação do app.